segunda-feira, 8 de agosto de 2016

ENTENDENDO O SOFRIMENTO




II Co.12:7 –“ E, para que não me exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.”
Quem tem uma história com Deus, certamente será alvo de Satanás que tentará enfraquecer ou destruir a sua fé.
Paulo foi arrebatado ao terceiro céu, onde ouviu palavras inefáveis (II Co.12:3,5); e,  sua total dependência de Deus, fez com que recebesse grandes revelações.
Otimismo no momento de grandes lutas  ajudam  a enfrentar qualquer situação, pois sabemos com quem contar, quem está conosco.
Embora Paulo tenha pedido para que este espinho lhe fosse retirado, a resposta de Deus foi:
II.Co.12:9 –“A minha graça te basta, o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.”
Mesmo na medicina está comprovado que as pessoas que enfrentam as doenças de um modo positivo, tem maiores chances de serem curadas mais rapidamente.
Ef.6:10 – “Fortalecei-vos no Senhor e na força de seu poder.”
Quem está firmado em Deus, qualquer que seja a provação, a enfrentará com melhor disposição, pois as fraquezas que tentam  tirar o prumo, são substituídas pelo poder de Deus.
Jesus, o Filho de Deus, recebeu também esta revelação vinda do Pai.
 Se Ele, o filho amado, não foi poupado do sofrimento, apesar de ter clamado que o Pai afastasse o cálice do sofrimento, porque questionamos quando enfrentamos dores semelhantes?
- Por que eu? Por que isto está acontecendo comigo?
II Pe.1:17 – “Porquanto ele recebeu de Deus Pai a honra e a glória, quando da magnífica glória lhe foi dirigida a seguinte voz: Este é meu Filho Amado, em quem tenho me comprazido.”
Jesus foi testado em todo o tipo de sofrimento desde sua tentação no deserto, e aí voltamos a mesma indagação: Por que o Filho Amado de Deus teve que passar por todos os tipos de provação?
A resposta é simples: Para que o homem espiritual passasse pelas mesmas experiências do homem natural e assim as entendesse, para que expurgasse através deste sofrimento todos os nossos pecados.
Há três tipos básicos de sofrimento:
Físico – quando nosso corpo ou parte dele começam a funcionar mal.
Mental – quando somos angustiados pelas circunstâncias que nos ocorrem.
Espiritual – quando provocado pelo inimigo, em sua tentativa de enfraquecer nossa fé.
Qualquer que seja o tipo de sofrimento  não devemos enxergá-lo como se Deus estivesse desistindo de nós, nos abandonado. O Senhor nunca permite que sejamos provados ou que soframos além do que podemos suportar. Sempre, mesmo com o sofrimento, teremos um suporte. Fé não é sinônimo de imunidade, mas precisamos da fé para seguirmos em frente.
Tg. 1:2 – “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações.”
Durante a provação, precisamos entender que o Senhor não é a fonte dela, precisamos entender que o amor de Deus é o nosso recurso e nosso sustento.

Nenhum comentário: