segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A ARROGÃNCIA DE JUDÁ




Gn.49:10 – “O Cetro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Silo; e a ele se congregarão os povos.”
Judá, o quarto filho de Léa e de Jacó, tornou-se líder entre seus irmãos, e esta palavra de benção para sua vida foi dada por seu pai, em seu leito de morte.
I Cr.5:2a – “Porque Judá foi poderoso entre seus irmãos, e dele provém o príncipe.”
Quando seu irmão José esteve prestes a ser morto pelos seus próprios irmãos, Judá convenceu-os a vendê-lo para uns mercadores ismaelitas que atravessavam a região, evitando sua morte.
Gn.37:27 – “Vinde, e vendamo-lo a estes ismaelitas, e não seja a nossa mão sobre ele: porque é nosso irmão, nossa carne. E seus irmãos obedeceram.”
No período de fome que atingiu Canaã, onde habitava com sua família, Jacó soube que no Egito havia fartura e enviou seus filhos para comprar trigo e demais alimentos, e foi Judá que fez toda a negociação. Tentou ainda livrar Benjamim de chegar à presença de José, para que seu pai não se entristecesse ainda mais, pois não havia reconhecido seu irmão, que era ministro da casa de Faraó. Tornou-se fiador de seu irmão caso algo lhe acontecesse.
Gn.43:9 - "Eu serei fiador por ele, da minha mão o requererás, se eu não to trouxer, e não o puser perante a tua face, serei réu de crime para contigo para sempre."
Mesmo depois que todos os familiares foram transportados para o Egito, quando ficaram dependentes de José, todo o acordo foi feito através de Judá, por ser um líder nato.
Mas Judá transformou-se numa nação poderosa, orgulhosa e confiante de si mesma, e esqueceu-se do Senhor e contaminou-se com a prática das abominações dos outros povos. O profeta Jeremias, diante de tal situação, levantou um clamor a Deus, mas obteve a seguinte resposta:
Jer.14:11 - "Não rogues por este povo para o bem."
A palavra de Deus é uma espada de dois gumes: divide juntas e medulas, ou seja, separa o bem do mal, é um bem precioso que não deve ser desperdiçado. Para alertá-los de seus pecados, Jeremias foi instruído pelo Senhor a comprar um cinto de linho, amarrá-lo em sua cintura e, depois de uma longa caminhada, enterrá-lo nas margens do rio Eufrates. Quando recebeu ordens de ir apanhá-lo, viu que estava podre e imprestável. Este era o recado do Senhor:
Jer.13:9 - "Assim diz o Senhor: Do mesmo modo farei apodrecer a soberba de Judá e a muita soberba de Jerusalém."
Diante desta situação de calamidade, o profeta pediu uma explicação, e o Senhor lhe disse:
Jer.14:14 - "E disse-me o Senhor: Os profetas profetizam falsamente em meu nome: nunca os enviei, nem lhes dei ordem, nem lhes falei; visão falsa, e adivinhação e vaidade, e o engano do seu coração é o que eles profetizam.”
O Senhor nosso Deus é misericordioso, mas, como todo pai, disciplina ao filho que ama com o objetivo de mudança de atitude. Essa foi a maneira de acordá-los para a realidade.
Jer.42:1 - "Então chegaram todos os príncipes dos exércitos e Joanã, filho de Careá, e Jezanias, filho de Hosaías, e todo o povo, desde o menor ao maior e disseram ao profeta Jeremias: Caia agora a nossa suplica diante de ti e roga por nós ao Senhor teu Deus, por todo o resto,  porque de muitos somos poucos, como veêm teus olhos."
Deus não havia rejeitado toda a nação, mas um povo rebelde e contumaz, de dura cerviz, somente diante de uma situação de quase total destruição consegue voltar atrás em suas transgressões.
Apesar de todo o povo se comprometer a obedecer a todas as instruções acerca do caminho que deveria seguir, mesmo assim se rebelaram, pois a ordem era que permanecessem na Babilônia para usufruir da graça e da misericórdia de Deus.
Jer.42:11,12 – “Não temais o rei da Babilônia, a quem vós temeis, não o temais, diz o Senhor, porque eu sou convosco, para vos salvar e para vos fazer livrar de sua mão. E vos farei misericórdia, para que ele tenha misericórdia de vós e vos faça voltar à vossa terra.”
Quando a ordem de Deus não é dada de acordo com aquilo que pensamos, muitas vezes rejeitamos. Mesmo com esta declaração para permanecerem na Babilônia, onde seriam protegidos, seguiram para o Egito, duvidando da palavra transmitida pelo profeta.
Jer.42:19,20 – “Falou o Senhor a cerca de vós, o resto de Judá! Não entreis no Egito, sabei decerto que testifiquei contra vós hoje.”
Judá indignou-se contra o profeta e o povo não seguiu as ordens expressas dadas por Deus.
Jer.43:2b – “Tu dizes mentiras, o Senhor nosso Deus não te enviou para dizer: não entres no Egito para lá peregrinardes.”
Precisamos estar dispostos a obedecer à voz de Deus, por mais difícil que seja!
Pv.13:13 – “O que despreza a palavra perecerá, mas o que a guarda será galardoado”.
Todos os que seguiram para o Egito tiveram que arcar com as conseqüências de seus atos e de sua arrogância. O Egito acabou sendo dominado pelo exército de Nabucodonozor, e muitos foram exterminados, outros escravizados, restando apenas um excedente fiel.
As mensagens dadas por Deus através de seus profetas sempre têm como objetivo a salvação. Somos provados para sermos aprovados; para isso, precisamos obedecer a seus mandamentos.
Pv.8:9 – “O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até sua oração será abominável.”

 



Nenhum comentário: